Comentários raivosos de Villa são rebatidos pelo novo presidente do BNDES

O presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, contra-ataca as falsas acusações de Marco Antônio Villa e defende todas as operações legais e muito bem feitas do BNDES durante os governos Lula e Dilma Rousseff.

4 Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Djalma

20/07/2017 - 22h28

Esse Marco Vila me dar a entender que é um historiador de M.
Desde o jornal da TV Cultura que esse cara, mais comentarista do que historiador, irradia arrogância e ódio.
O Dr, Paulo Rebello de Castro o colocou no seu devido lugar e, olha que não sou do PT, mas, o Vila faz a gente ter náuseas por causa de seu ranço. Com isto ele deixa de ser um bom comentarista, quanto mais um historiador. Ele é um demérito para uma empresa de comunicação.

Responder

Djalma

20/07/2017 - 22h09

Esse Marcos Vila não merece nem comentário, aliás esse cara já levou um escracho de um professor português por comentários irreais. É um parcial, venenoso, com ódio. Realmente não merece ser ouvido por quem quer saber, entender, em suma, um mal brasileiro.

Responder

elvis

18/07/2017 - 21h58

Esse Vila é uma piada. ” Projeto criminoso de poder” é o que Temer/PSDB está fazendo no Brasil. Isso ele não fica vociferando por aí.

Responder

Denise Macedo

18/07/2017 - 19h19

Esses jornalistazinhos têm mesmo ficção por Lula e pelo PT. O tal Villa, ainda por cima, é historiador e não consegue ter um discurso que mostre o menor conhecimento histórico de como forças globais, políticas e econômicas se articulam e se articularam para o estado de coisas no Brasil hoje. Isso é incompetência, alienação voluntária ou má-fé?

Responder

Deixe uma resposta

Recomendadas