‘Nunca aceitaremos golpe no Zimbábue’, diz líder da União Africana

'Sabemos que há problemas internos. Eles precisam ser resolvidos politicamente pelo Zanu-PF [partido do presidente Robert Mugabe] e não pela intervenção das Forças Armadas', afirmou Alpha Condé, presidente da Guiné

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe (direita), é acompanhado pelo vice-presidente Emmerson Mnangagwa na Câmara do Parlamento, em Harare – Foto Agência Lusa

O líder da União Africana, o presidente guineano Alpha Condé, afirmou nesta quinta-feira (16/11) que o órgão “nunca” aceitará “o golpe de Estado militar” no Zimbábue.

“Exigimos respeito à Constituição, a volta à ordem constitucional e nunca aceitaremos o golpe de Estado militar”, afirmou. “Sabemos que há problemas internos. Eles precisam ser resolvidos politicamente pelo Zanu-PF [partido do presidente Robert Mugabe] e não pela intervenção das Forças Armadas.”

Leia mais:
Exército toma capital do Zimbábue e Mugabe resiste a golpe de Estado

Na quarta-feira (15/11), Mugabe e sua família – incluindo a primeira-dama Grace Mugabe, cotada para substituí-lo – foi detido por forças militares do Zimbábue em sua residência, em Harare. Ele se nega a renunciar e diz que vai terminar seu mandato.

Os militares dizem que não deram um golpe, mas que mantêm Mugabe “em segurança” e buscam “criminosos” que estariam em torno do presidente.

“Temos como alvo criminosos no entorno dele [Mugabe], que estão cometendo crimes que causam sofrimento social e econômico no país, a fim de levá-los à Justiça. Uma vez que completamos nossa missão, esperamos um retorno à normalidade”, disse o major-general Sibusiso Moyo, em emissão pela TV estatal, ainda na quarta.

Nesta quinta, Mugabe se reuniu com o chefe das Forças Armadas do país, Constatino Chiwenga, que liderou o movimento militar, com emissários enviados pelo governo sul-africano e mais um membro católico do clero do país. Os veículos oficiais de informação não haviam divulgado, até as 15h30 de Brasília, qual havia sido o resultado da reunião.

A crise

A tensão no Zimbábue se agravou depois que Chiwenga ameaçou publicamente o governo Mugabe, presidente do país desde 1987. Chiwenga afirmou que o Exército estava pronto para “intervir” diante da crise no país.

Na semana passada, Mugabe destituiu seu vice-presidente Emmerson Mnangagwa, um aliado do líder militar Chiwenga. Os dois combateram juntos com Mugabe contra o regime de minoria branca na antiga Rodésia.

Chiwenga criticou os planos de Mugabe de demitir outros políticos da velha guarda. “Isso tem que parar”, exigiu o chefe do Exército. Ele também criticou que a situação econômica do Zimbábue não tenha melhorado por anos devido a entreveros internos no partido governante União Nacional Africana do Zimbábue – Frente Patriótica (Zanu-PF).

O partido governante disse na terça-feira que as observações de Chiwenga são equivalentes à traição e ao incitamento à rebelião contra a ordem constitucional. O general Chiwenga e o vice-presidente destituído Mnangagwa são considerados críticos da primeira-dama Grace Mugabe, de 52 anos, que espera seguir os passos de seu marido no mais alto cargo do Estado.

Um especialista da consultoria de risco Verisk Maplecroft afirmou que o aumento da presença militar em Harare era um sinal claro de que as Forças Armadas iriam intervir, caso necessário, para evitar que Grace Mugabe seja presidente.

Segundo a imprensa local, os militares capturaram os ministros das Finanças, Ignatius Chombo; o ministro da Educação Superior, Jonathan Moyo; e o ministro de Obras Públicas e Habitação e comissário político a nível nacional da Zanu-PF, Saviour Kasukuwere.

Os três fariam parte do chamado grupo G40, uma facção do partido que, segundo os analistas, procura expulsar aos veteranos da guerra de independência – como o vice-presidente Mnangagwa – para abrir caminho para Grace Mugabe.

Mugabe é o chefe de Estado mais velho do mundo, mais longevo da África e governa o Zimbábue com uma mão dura há 37 anos – como presidente desde 1987 e primeiro-ministro de 1980 até 1987.

Ele enfrenta críticas por causa da grave crise econômica e por ataques a jornalistas, fazendeiros brancos e oposicionistas. Apesar da idade avançada, ele se recusou a nomear um sucessor. Mugabe pretende concorrer à reeleição em 2018.

*Publicado originalmente no site Opera Mundi.

Nenhum Comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Deixe uma resposta

Recomendadas