Foi golpe? Foi. A misoginia impactou? Impactou. A mídia apoiou? Apoiou.

Tem livro importante na praça. Trata-se de “Mídia, Misoginia e Golpe”, organizado por Elen Cristina Geraldes, Tânia Regina Oliveira Ramos, Juliano Domingues da Silva, Liliane Maria Macedo Machado e Vanessa Negrini.

17555536_1614935888523675_1068069135_n

 

O livro é uma iniciativa do Laboratório de Políticas de Comunicação – LaPCom (do Programa de Pós-graduação da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília – FAC/UnB), e do Grupo de Trabalho Políticas e Estratégias de Comunicação da Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Ao final 53 trabalhos foram selecionados e concretizados por pesquisadores de todo o País. Foram ouvidas personalidades acadêmicas e políticas com importantes contribuições neste debate, seja na mídia ou em outros palanques, convidadas a responder:

 

Foi golpe? A mídia apoiou? A misoginia impactou?

 

E tem uma cereja adicional nesse bolo: as fotos de “Mídia, Misoginia e Golpe” são de Lula Marques, nocauteiro juramentado. O livro pode ser baixado gratuitamente em https://faclivros.files.wordpress.com/2017/03/faclivros_midiamisoginiagolpe.pdf

 

 

Leia um trecho da apresentação:

 

“De maneira geral, os entrevistados e entrevistadas foram contundentes ao afirmar que, sim, o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff foi um golpe, embora com características bastante distintas do que houve anteriormente na história política do País.

 

Também foi consenso entre a maioria dos entrevistados e entrevistadas que a mídia teve um papel fundamental e ativo na arquitetura do golpe, atuando de forma articulada com os grupos beneficiários do processo.

 

As questões de gênero, a misoginia, o sexismo, a herança de uma cultura que se forjou no patriarcado, foram ingredientes apontados como de grande relevância para influenciar a opinião pública durante a cobertura do processo de impeachment.

 

Por fim, os entrevistados e entrevistadas observaram que a derrubada de Dilma representa um duro golpe na participação feminina na política brasileira, que já era considerada uma das mais baixas no mundo, com reflexos e ameaças ao processo de conquistas sociais e culturais em construção nos últimos anos.”

2 Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Daniel Bernardo

12/09/2017 - 11h47

Vamos ao resumo do livro? Ele é tão imparcial quanto a história do futebol brasileiro contada pela Gaviões da Fiel… Um texto que inicia com “presidenta” é digno de confiança igual a tal presidenta…

Responder

Alan Silva

30/03/2017 - 15h50

Parem com essa fantasia! Dilma é doente…..

Responder

Deixe uma resposta

Recomendadas