O mal é banal

Ana Roxo alerta para a banalização do mal: "O mal está aí, apoiando extermínio de vulnerável em centros urbanos. O mal está aí dizendo tem que matar mesmo!".

 

 

Por Ana Roxo

tendemos a achar que o nazismo foi um desvio
que o mal é uma façanha,
que alguém que faz o mal, é mau.
como se fosse algo que toma um indivíduo e retira dele a humanidade

não é amiguinhos

queria muito que fosse e resolvesse com exorcismo
com corações e arco-íris tipo ursinhos carinhosos

o mal está aí
apoiando tatuagens em testas
apoiando extermínio de vulneráveis nos centros urbanos
dizendo que “tem que matar mesmo”
o mal está aí
olhando pro próprio umbigo
meditando pela paz abstrata
e perpetuando a desigualdade
o mal está aí
dizendo que ele merece
desviando o olhar
não vendo o outro
o mal está aí
subindo na vida a custa de exploração
achando que a corrupção está no outro
pulando mendigos nas ruas
o mal sempre esteve aí.

o nazismo não foi feito por pessoas más
monstros orcs siths gargamel
foi feito por pessoas como você
e como eu
que só queriam viver suas vidinhas
umbigadas
que só queriam aquela promoçãozinha
aquela roupinha mais barata
(sem ponderar que do outro lado do negócio tem gente escravizada)
por pessoas que só queriam vingança travestida de justiça.

o mal é banal.

10 Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Carlos Lima

16/06/2017 - 14h18

Tema excelente, naqueles episódios de 2013, eu reclamava na minha insignificância do que a mídia e políticos profissionais faziam, jogando irmãos contra irmãos. Em nenhum lugar do mundo isso foi bom, e mal prosperou contra o bem e chegamos a onde estamos, no caos. Quando isso se virou contra os próprios incendiários é que começaram a perceber que o cultivo do mal e mesmo catastrófico, Seu tema deveria ser mais abordado por todos e em tudo, ou seja na vida pessoal, empresarial, religiosa e política. Deveríamos tentar o novo para a época moderna e tentarmos verdadeiramente transformar pessoas em signatários do BEM, começando por nós mesmo. Valeu garota, excelente tema, a informação precisa de pessoas como você, parabéns, mas paraBENS mesmo.

Responder

dalva

15/06/2017 - 10h14

Falou tudo.

Responder

PEDRO SANCHES

15/06/2017 - 10h02

EXCELENTE A NOSSA GRANDE ANA ROXO.

“O egoísmo pessoal, o comodismo, a falta de generosidade, as pequenas cobardias do quotidiano, tudo isto contribui para essa perniciosa forma de cegueira mental que consiste em estar no mundo e não ver o mundo, ou só ver dele o que, em cada momento, for susceptível de servir os nossos interesses.”
― José Saramago

Responder

Luis

15/06/2017 - 04h23

Muito bom

Responder

    Luis

    15/06/2017 - 04h25

    É isso mesmo

    Luis

    15/06/2017 - 04h26

    Concordo

Paulo Cezar Soares

14/06/2017 - 20h57

Pois é, Ana Roxo. Há muita violência, não só no Brasil. mas em todo o mundo. Infelizmente! O progresso, a modernidade, as novas tecnologias, nada disso, como muitos esperavam, melhorou o ser humano O capitalismo não estimula o humanismo. O lucro é um fim em si mesmo., fato que estimula a violência nada vale a pena se não há paz. E o mundo não tem paz.

Responder

Jorge Pimenta Filho

14/06/2017 - 14h05

Como assinar o NOCAUTE?

Responder

    Nocaute

    14/06/2017 - 14h36

    Oi, Jorge. É possível receber as notícias do Nocaute curtindo nossa página no Facebook (https://www.facebook.com/nocautefernandomorais/), curtindo nosso perfil no Twitter (@nocautefm) e assinando nosso canal no Youtube. Em breve vamos fazer também um boletim, enviado por e-mail.

Clá

14/06/2017 - 13h41

Contundente, Ana.
O mal tem nome: chama-se perversão narcísica. Na perversão narcísica, as forças têm o mesmo “modus operandi” das forças que atuam no capitalismo financeiro. Assim, a violência pode ser institucionalizada (no capitalismo) ou personalizada (na perversão narcísica) e, neste caso, pode atuar dentro da casa de alguém (da vítima/alvo) de forma personalizada e de modo tão insidioso que, provavelmente, a pessoa demore muitos, muitos anos para perceber o jogo. É como você disse: “O mal tá aí.”

Responder

Deixe uma resposta

Recomendadas