Temer, o impopular, não conseguirá aprovar a reforma da Previdência

Os parlamentares sabem que quem apoiar a reforma da Previdência, dificilmente vai conseguir votos ano que vem para ser eleito novamente. E como as propagandas mentirosas do governo estão sendo barradas, fica inviável defender essa reforma.

 

Será que o governo Temer desistiu da reforma da Previdência?

 

Meu nome é Danilo Strano e esse é o Olhar Strano.

 

A Justiça Federal parece ter destruído a última tentativa de Temer de convencer a população de que a reforma da Previdência poderia ser positiva. A decisão da Justiça disse que a propaganda que defendia a reforma da Previdência era mentirosa. Ela não dizia a verdade. Por isso, ela não deveria ser mais veiculada.

 

Os líderes do governo já haviam dito a Michel Temer que só uma pressão popular poderia fazer a reforma passar na Câmara do deputados. Logo o governo Temer, tão impopular, precisava da população para apoiar uma reforma.

 

A reforma trabalhista e as defesas do impeachment, Temer conseguiu passar com facilidade. Mas essa reforma parece que será bem improvável que ele consiga a vitória.

 

O PSDB, aliado de tantas horas, já se mostrou contra a reforma do jeito que ela está. E vai se reunir, na próxima semana, para abandonar o barco. O defensor do governo e presidente da Câmara, Rodrigo Maia já avisou que faltam muitos votos.

 

Mas, porque será que os parlamentares estão abandonando essa reforma? A resposta é muito clara: o governo vai adiar o quanto puder, porque ele sabe que não vai ganhar.

 

Os parlamentares sabem que quem apoiar a reforma da Previdência, dificilmente vai conseguir votos ano que vem para ser eleito novamente. E como as propagandas mentirosas do governo estão sendo barradas, fica inviável defender essa reforma. Então, não adianta Temer esperar a pressão popular. Assim como o seu governo, tão impopular, essa reforma não passará.

2 Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

José Eduardo Garcia de Souza

04/12/2017 - 20h50

O comentarista engana-se em todos os pontos: 1) A propaganda do governo não é mentirosa; 2) O TRF-1 já autorizou a sua veiculação, suspensa por juíza que claramente viu ali ameaça aos seus privilégios; 3) Sim, Temer é impopular e sabe perfeitamente bem disto. Mas é justamente esta impopularidade, aliada ao fato de ele não ser candidato a reeleição que lhe dá condições para fazer isto; 4) Temer possui nas suas mãos a chave para mudar a cabeça dos parlamentares populistas: a) sob o prisma político, é o único que consegue articular o centro contra Lula e Bolsonaro; e b) tem a chave do cofre, que pode conceder ou negar verbas que são absolutamente vitais para os candidatos que quiserem apregoar obras, melhorias e avanços juntoi*às suas bases, justamente em ano eleitoral. 5) Temer já derrubou duas tentativas frustradas de Janot, com total apoio da Globo de derrubá-lo. Aprovar uma reforma da Previdência para quem derrotou a máquina da Globo e da PGR não é difícil.

Responder

    Marcos Monteiro

    24/12/2017 - 16h32

    O governo Temer não é um governo legitimado nas urnas. Foi eleito para ser vice. A reforma proposta não atinge os atuais parlamentares, os militares, o alto escalão do judiciário. Não acaba com privilégios, conforme prega. Para fazer a reforma valer, tem que incluir todos.

Deixe uma resposta

Recomendadas