Secretário de Alckmin manda tirar busto de Lamarca de museu

Fundador do Movimento Endireita Brasil, Ricardo Salles acredita que o busto era apologia ao comunismo e confunde Carlos Marighella com Lamarca.

Pedestal onde estava o busto de Lamarca

Erguido sob um pedestal no Parque Estadual do Rio Turvo, no Vale da Ribeira, o busto do resistente à ditadura militar brasileira Carlos Lamarca estava “plantando o comunismo no coração das crianças”. Esta é a justificativa do secretário estadual do Meio Ambiente de São Paulo, Ricardo Salles, que ordenou demolir a homenagem. Salles também mandou tirar um painel com fotos e informações sobre o guerrilheiro que ficavam no centro de exposição temático do local.

Citados pelo site Direto da Ciência, funcionários do parque relataram que o secretário falou em “proselitismo ao comunismo” e disse sobre uma suposta influencia do “comunismo no coração das crianças”.

A ordem foi dada pelo secretário a Rafael Leonard Campolim de Moraes, responsável pela Gerência do Alto Paranapanema da Fundação Florestal, que abrange o Parque Estadual do Rio Turvo e outras 18 unidades.

O Parque Estadual do Rio Turvo abrange áreas dos municípios de Barra do Turvo, Cajati e Jacupiranga.

A retirada do busto de Lamarca do pedestal foi feita pelos próprios funcionários do parque e pela Prefeitura de Cajati. A peça teria sido levada para São Paulo Registro pela Polícia Ambiental.

A Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo não confirmou se transportou, nem informou o paradeiro do busto de Lamarca.

Carlos Lamarca foi capitão do Exército Brasileiro, mas desertou em 1969 para se tornar um dos líderes da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), organização de orientação política marxista de resistência à ditadura.

Condenado pelo Superior Tribunal Militar como traidor e desertor, Lamarca organizou um foco guerrilheiro no Vale do Ribeira e liderou em 1970 o sequestro do embaixador suíço Giovanni Bucher, no Rio de Janeiro, em troca da libertação de 70 presos políticos. Foi morto em uma operação por militares no interior da Bahia em 17 de setembro de 1971.

O busto, antes de ser levado

Salles e o secretário adjunto Antonio Velloso Carneiro são advogados e ajudaram a fundar, em 2007, o Movimento Endireita Brasil. A agremiação foi criada para “corrigir” o que chamou de “demonização da direita no Brasil”, segundo eles mesmo declararam à imprensa na ocasião.

Questionado pela reportagem do Direto da Ciência sobre o fato, o secretário Ricardo Salles, por meio de sua assessoria de imprensa, respondeu confundindo o nome de Lamarca, com o de outro guerrilheiro, Carlos Marighella (1911-1969), do grupo Aliança Libertadora Nacional (ALN).

A resposta de Salles foi a seguinte:

Narrar fatos é uma coisa. Erguer bustos com dinheiro público e em parque público é bem diferente. Mariguela [sic] foi um guerrilheiro, desertor e responsável pela morte de inúmeras pessoas. A presença desse busto no local é inadmissível.

Pouco mais de uma hora após enviar a reposta do secretário, a Secretaria do Meio Ambiente pediu para corrigir o erro com a troca de nomes.

16 Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Pedro Bom

16/08/2017 - 17h22

A ignorância histórica e política do ‘gestor’ endireitador é tanta que ele confunde dois nomes cujos trajetos foram bem diversos, apesar de ambos terem lutado aguerridamente contra uma ditadura e terem sido estraçalhados por ela. Endireita meu caralho, Ricardo Salles.

Responder

Roberto Carlos Ramos

15/08/2017 - 20h07

É lamentável o que este secretário fez, sou morador da cidade de Cajati, e estou perplexo ele vai ter que tirar da história Tiradentes, Lampião, Nero, Adolf Hitler e por ai vai, passou por cima da câmara dos deputados e chutou a porta da minha cidade e os políticos local ainda ajudou, estamos na democracia ou voltamos para a ditadura? Espero que os demais políticos do nosso Brasil tome uma providencia sobre este caso e devolva o busto.

Responder

Castro

15/08/2017 - 11h06

O fascismo ta vivo e crescente no Brasil e tem lugar garantido em todo governo tucano.

Responder

Clebion Miranda

14/08/2017 - 16h27

Viva (mos), pois, os dois Carlos: Lamarca e Marighella, em sempre!! CM

Responder

Clebion Miranda

14/08/2017 - 16h25

Viva (mos), pois, os dois, ousados e imortais Carlos: Lamarca e Marighella, em sempre!! CM

Responder

Carlos Valentin

14/08/2017 - 13h10

E ainda por cima é burro e desinformado, Carlos Lamarca é um e Carlos Marighella é outro. Imbecil!

Responder

Luciano

13/08/2017 - 10h35

Nada que vem desse pessoal me surpreende. A Direita ficou lelé.

Responder

Osmar Telada

12/08/2017 - 18h58

MAIS UM TUCANO IMBECIL. IDIOTA.
ANENCÉFALO QUE SOBREVIVEU E GANHOU CARGO DE OUTRO TUCANO IGUAL.
Desconhece a verdadeira história do brasil e tentar enganar o povo com seu bom bico.
Mais cedo ou mais tarde, vai ter que voltar ao busto para o lugar e pagar de seu bolso
as despesas e os estragos.

Responder

Mario Lobato da Costa

12/08/2017 - 09h51

Aguardamos ansiosamente o diligente secretário trocar as placas e demolir todas as estátuas erguidas em nome dos ditadores assassinos do regime militar.

Responder

William Wollinger Brenuvida

12/08/2017 - 08h54

O Brasil está repleto de mentes atrofiadas. O secretário paulista de meio ambiente é um exemplo evidente porque mistura suas paixões e (intenções) com a narrativa histórica – e de historicidade. É uma pena que muitas pessoas se sintam incomodadas com o fato de que houve ditadura cívico-militar no Brasil, período violento, uniforme e repleto de obscuridades. Lamarca ousou um Brasil mais justo, e foi morto num contexto onde as forças armadas apoiadas pelos americanos eram muitas vezes superior aos grupos de resistência à repressão.

Responder

Alan Silva

12/08/2017 - 04h09

Fez a coisa certa. Lamarca era imbecil.

Responder

    Carlos Valentin

    14/08/2017 - 13h12

    Não, imbecil é você, seu ignorante acéfalo!

    Pedro Bom

    16/08/2017 - 17h23

    Imbecil é quem não sabe quem Lamarca foi e se acho no direito de insultar um herói da pátria que lutou contra uma ditadura sanguinária que torturava, matava e desaparecia com os corpos.

Luiz Cláudio

11/08/2017 - 22h19

Sorte que a imbecilidade não é contagiante. O Brasil está virando um taliban de direita.

Responder

carlos costa

11/08/2017 - 18h35

ignorancia e arrogancia; o secretario nao tem capacidade pra ocupar um cargo publico; mistura ideologia com preservaçao da historia; goste ele ou nao lamarca teve importancia historica na luta contra a ditadura no pais; um pais que despreza a historia compromete o futuro

Responder

Marcos Azevedo

11/08/2017 - 16h28

A estátua é horrível. O querido Carlos Lamarca jamais merecia um monumento tão feio, mas não é justificativa para esse delinquente direitista fazer o que fez!

Responder

Deixe uma resposta

Recomendadas