A profecia de Ataliba, o censor

A propósito da volta sorrateira da censura, lembrei da história do Ataliba, o último censor do jornal Estado de Minas durante o Estado Novo. O episódio me foi contado pelo genial jornalista piauiense Carlos Castelo Branco, o Castelinho, para o livro “Chatô, o rei do Brasil”.

 

Assis Chateaubriand e Carlos Castelo Branco

No começo de outubro de 1945 já se podia perceber que os dias do Estado Novo estavam contados.

Farejando a agonia do governo, Chateaubriand distribuiu uma ordem a todos os órgãos Associados: em suas rádios e jornais as instruções da censura deveriam ser pura e simplesmente ignoradas.

Em Belo Horizonte era Carlos Castelo Branco quem estava na chefia de redação do Estado de Minas quando Chateaubriand telefonou pessoalmente para o diretor Gregoriano Canedo:

– Canedo, dispense o censor. De hoje em diante não tem mais censura no jornal.

Amigo do prefeito Juscelino Kubitschek (que além de patrono de generosas dotações de verbas oficiais ao jornal era politicamente ligado a Getúlio), Canedo entrou em pânico com a ordem que recebera. Chamou Castelo e passou o abacaxi adiante:

– Castelinho, o Chateaubriand mandou dispensar o censor, não receber mais ordens dele. Eu vou embora para casa, você se vira aí com o Ataliba.

Fazia tantos anos que Ataliba, o censor, dava seu plantão ali, que ele já se sentia parte integrante da redação. Chegava todas as noites de terno branco e chapéu panamá, pendurava o paletó na cadeira e ia recebendo as pilhas de laudas datilografadas das mãos de Castelo. Com o tempo estabeleceu critérios pessoais do que podia ou não podia ser publicado (a palavra democracia, por exemplo, só poderia sair em títulos quando estivesse entre aspas, e desde que fosse parte integrante de discursos de Churchill ou de Roosevelt).

Naquele dia ele chegou como se nada tivesse acontecido, pendurou o paletó e pediu a Castelo o primeiro pacote de trabalho para ler. O rápido diálogo entre os dois ficou célebre, para as gerações de jornalistas que vieram depois, como um presságio da ação de ditaduras sobre a liberdade de imprensa. Castelo transmitiu com bom humor a ordem de Chateaubriand ao censor:

– Não, Ataliba, hoje você não vai ler o jornal aqui. Se você quiser ler o Estado de Minas vai ter que comprá-lo na banca amanhã de manhã.

Ataliba se levantou, pegou o paletó e deixou no ar uma frase profética:

– Já entendi tudo, eu vou-me embora. Mas não tem importância, um dia eu volto.

Ataliba voltou dezenove anos depois, na noite de 1º de abril de 1964.

Nenhum Comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Deixe uma resposta

Recomendadas