Precarizar para privatizar: a estratégia tucana para a educação em São Paulo

Professores denunciam cortes na verba da merenda, demissões e terceirização do trabalho na rede municipal de ensino; a quantidade de merenda nas escolas está sendo controlada desde que João Doria assumiu a gestão em São Paulo.

Secundaristas pressionaram o governo estadual e a base aliada na Assembleia Legislativa pela criação da CPI da Merenda

Em 2016, um dos principais assuntos no estado de São Paulo foi a merenda nas escolas estaduais. Além da denúncia de corrupção no processo de compra dos alimentos envolvendo o governador Geraldo Alckmin (PSDB), estudantes e professores se queixavam da qualidade e da quantidade.

Em algumas escolas, não era servida nenhuma refeição. Em outras, em vez de comida, a opção era merenda seca – embalagem individual de biscoito, acompanhado de um suco ou achocolatado de caixinha.

Em 2017, a merenda voltou a ser denunciada. Desta vez, na prefeitura de São Paulo. Depois de João Doria (PSDB) assumir a gestão, a quantidade de comida distribuída diminuiu. É o que afirma a professora Marcela Campos, que reuniu relato de outros professores e de pais de alunos da rede municipal de ensino e fez uma denúncia pela internet.

Parte das escolas estaduais recebe merenda seca em vez de comida (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

“A maioria das escolas estão com essa ordem de que não podem repetir a merenda. Se o aluno continua com fome ele não pode repetir, só aquele pouco que foi dado e acabou. E, na verdade, a qualidade da comida os alunos relataram uma piora também”.

A denúncia começou a ser divulgada e a prefeitura rebateu, dizendo que era notícia falsa.

“Inclusive o Doria dando uma explicação absurda, dizendo que tudo isso é porque ele está combatendo a obesidade infantil. Isso é um absurdo porque se a gente for para as escolas da periferia, você percebe que a realidade é muito dura para essas crianças. Muitas vão para a escola para se alimentar e estão subnutridas, tem dificuldade de aprendizado por isso”, diz.

Em entrevista ao Nocaute, Marcela Campos conta os relatos que chegaram a ela e por que decidiu denunciar. Assista à reportagem:

Alguns professores da rede municipal, que são conhecidos meus, vieram me relatar essa questão da falta de merenda, do racionamento de merenda nas escolas que eles estão trabalhando, uma escola na zona norte de São Paulo. Conversando com um desses professores, uma professora, ela me relatou e perguntei se ela não queria escrever um texto ou dar um depoimento sobre esse assunto. A princípio ela tinha dado um depoimento, tinha feito um relato.

No dia seguinte ela me procurou, falando que ela relatou isso na escola, mas que veio uma repressão bem grande por parte da direção da escola e como ela é professora contratada ela ficou com medo e pediu para retirar o nome dela e o depoimento dela. Eu insisti, falei com alguns professores que também estavam com medo e não quiseram dar o nome e eu decidi que eu ia publicar o texto tirando os relatos pessoais e os nomes, mas colocando tudo o que eu tinha ouvido nesses dias. E publiquei no Esquerda Diário essa denúncia do racionamento da merenda nas escolas.

Foi uma denúncia que acabou viralizando em poucos dias, chegando a centenas de milhares de pessoas, inclusive outros blogues replicaram a matéria. E aí começaram a contar mais sobre o racionamento de merenda, mas também de toda a repressão que eles estão sofrendo dentro da rede municipal, relatando sobre a situação dos professores contratados que vai ter uma leva de quase dois mil professores contratados demitidos.

É uma política bem pensada para ter uma rede de informações desencontradas, professores acuados. Inclusive o Doria dando uma explicação absurda, dizendo que tudo isso é porque ele está combatendo a obesidade infantil. Isso é um absurdo porque se a gente for para as escolas da periferia, você percebe que a realidade é muito dura para essas crianças. Muitas vão para a escola para se alimentar e estão subnutridas, tem dificuldade de aprendizado por isso. É uma desculpa absurda para mascarar o que ele tem feito na prefeitura, mas que também o governo Alckmin implementa nas escolas.

A maioria das escolas estão com essa ordem de que não podem repetir a merenda. Se o aluno continua com fome ele não pode repetir, só aquele pouco que foi dado e acabou. E, na verdade, a qualidade da comida os alunos relataram uma piora também. O Doria diz que tem um programa de nutricionista para ter uma dieta mais balanceada. O que os pais estão relatando é que a qualidade diminuiu bastante. E agora os professores estão recebendo notificações ou cancelando o contrato deles ou dizendo que vão encerrar em breve.

Então, tem uma situação de desemprego massivo na categoria que o Doria diz que é para chamar os professores concursados, mas até agora ele fez uma chamada para poucos cargos, o que não cobre essa demissão de quase dois mil professores. E também tem toda uma situação de precarizar, em alguns lugares tem a terceirização desses professores. Estão contratando terceirizadas para dar aulas de música. Então, pra mim, é um projeto bem pensado dos tucanos e também do governo Temer de ir privatizando e terceirizando a educação aos poucos, inclusive o serviço dos professores.

2 Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

OMAR TELADA

17/08/2017 - 13h20

O famoso CHOQUE DE GESTÃO sempre foi assim:
1- o político tucano toma conta da empresa pública
2- coloca seus elementos em todos cargos da empresa
3- saqueiam tudo que podem dentro da empresa
4- fazem a empresa dar prejuízo mesmo se ela for uma galinha de ovos de ouro
4- demitem os melhores funcionários formados na empresa em muitos anos de trabalho.
5- colocam empregados terceirizados de empresas amigas no lugar deles
6- sucateiam a empresa não dando manutenção nem novos equipamentos.
7- colocam a empresa á venda a prelo de sucata, mesmo sendo uma galinha de ovos de ouro.
8 -Leiam o livro “A PRIVATARIA TUCANA” e fiquem sabendo como é a realidade da Quadrilha Tucanalha que saqueia e sucateia tudo por onde passam desde 1980 e principalmente após 1995 quando se espalharam pelo BRASIL afora.

Responder

Deixe uma resposta

Recomendadas