Número de mortos por policiais dobra na gestão Alckmin

Os dados foram divulgados hoje (01) pela Secretaria de Segurança Pública. Em 2017, 939 pessoas foram mortas pela polícia tucana. É o maior número já registrado desde que se começou a contagem anual em 1996.

O Diário Oficial do Estado divulgou hoje (01) os dados da letalidade policial em São Paulo. Só em 2017 a polícia tucana matou 939 pessoas. Dentre elas 876 foram mortas pela Polícia Militar, as outras 63 pela Polícia Civil. No entanto, o número de roubos subiu 29%, o de estupros 6,6% e o de roubos seguidos de morte, 2,7%.

Na gestão Alckmin, entre 2011 e 2017, o número de mortos aumentou 96%. Trata-se do maior número já registrado pela SSP (Secretaria de Segurança Pública), que começou a contabilizar a letalidade policial anual em 1996.

Em 2011, no início da gestão tucana o número de mortos por policiais somava 480 pessoas. Em 2017 o número dobrou, chegando a 939 mortos pela polícia tucana.

 

PM de Alckmin desfere soco contra aluno secundarista durante ocupação das escolas. Foto: GGN

 

Em entrevista ao Nocaute, o padre Julio Lancelotti diz não acreditar na redução desses números. “Creio que continuará aumentando as mortes, com apoio da população”, disse Lancelotti.

 

Em nota a SSP informou que “Para dar maior qualidade às investigações que envolvem agentes de segurança, foi implementada a Resolução SSP 40/2015, que exige o comparecimento da Corregedoria, do comando local e de uma equipe de perícia específica, além do acionamento do Ministério Público. Todos os casos de mortes decorrentes de oposição à intervenção policial são investigados por meio de inquérito e só são arquivados após minuciosa investigação, seguida da ratificação do Ministério Público e do Judiciário”. O secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, no dia 24 de janeiro, durante a divulgação das estatísticas mensais, afirmou que “sem sombra de dúvidas as polícias de São Paulo são a melhor força de segurança de todo o país”.  

 

Para a professora da UFABC (Universidade Federal do ABC) e  colaboradora do NEV-USP (Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo), Camila Nunes Dias, “a relação da letalidade policial deixa muito claro que não tem relação com o número de crimes em si. Como uma suposta reação das polícias à atividade dos criminosos. Especialmente quando a gente pega o crime que mais tem relação com isso, que é o homicídio”. Para o Uol, a especialista afirmou ainda que “a questão da letalidade é uma questão de escolha política. Aqui em São Paulo, a escolha política para o enfrentamento às questões de segurança pública está baseada na atuação da Polícia Militar ostensiva e aposta no confronto”.

 

A diretora-executiva do FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública), Samira Bueno, disse ao Uol que o argumento da SSP é de que aumentaram o número de confrontos, mas que proporcionalmente a letalidade se mantém a mesma. “Esses números de letalidade policial são inaceitáveis sob qualquer padrão de uso da força internacional e deveriam, no mínimo, ensejar por parte da SSP e do governo declarações que emitissem a mensagem inequívoca de que não são aceitáveis e que precisam ser reduzidos. Mas pelo contrário, o governo tem reiteradamente se manifestado no sentido de isentar a Polícia Militar e responsabilizar o ‘criminoso'”, argumenta.

“Infelizmente, essa postura prejudica a imagem da polícia enquanto organização, os policiais que estão na ponta (praças extremamente vulneráveis e constantemente deixados à própria sorte), e aumenta o risco desses mesmos policiais vítimas, pois estimula a vingança como política pública. Mas como a ideia de que ‘bandido bom é bandido morto’ tem forte apelo eleitoral, não sei se veremos uma redução desses números tão cedo”, conclui Samira.

 

Um comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

José Eduardo Garcia de Souza

01/02/2018 - 20h34

Antes de se entrar em debates piegas e mal informados com o fito de desacreditar a Polícia Militar, vale dizer que: 1) Não existe “Polícia tucana”, na medida em que tanto a Polícia Militar quanto a Civil são órgãos de estado e não de governo. 2) Embora seja inegável que o número de mortes causadas por policiais aumentou, segundo o anuário do Fórum Brasileiro se Segurança Pública, em 2017, “As políticas de combate aos crimes contra a vida desenvolvidas no Estado (de São Paulo) resultaram na queda expressiva de ocorrências deste tipo. São Paulo tem a menor taxa de homicídios do Brasil. Elas permitiram que o Estado atingisse o índice de 7,77 casos por 100 mil habitantes, patamar mais baixo da série histórica iniciada em 2001, com redução de 76% desde então. A taxa do país é de 25,7 homicídios por 100 mil habitantes.” 3) Para quem gosta de armar berreiros de que a “Polícia é quem mata”, que “houve assassinatos pela Polícia” e asneiras semelhantes, vale também registrar que as causas de homicídios são, em ordem decrescente: a) Premeditadas, como vinganças ou brigas de vizinhos; b) Pela Polícia; c) Suicídios; d) Brigas e altercações em bares e festas ou imediatamente após saírem desses locais; e) Feminicídios e; f) Morte após estupro.

Responder

Deixe uma resposta

Recomendadas