Margarida Salomão: Não se macula dessa forma a Universidade brasileira.

A ex-reitora da UFJF e atual deputada federal (PT-MG) Margarida Salomão denuncia a campanha orquestrada pelos golpistas contra a universidade pública no Brasil. Depois da UERJ, de Ouro Preto, do Paraná, do Rio Grande do Sul e da tragédia de Santa Catarina, chegou a vez da UFMG.

A seguir, a íntegra da entrevista da deputada ao Nocaute.

Imagens: Lula Marques

 

Nós estamos vivendo um momento muito complicado nesse pós golpe brasileiro. A bola da vez parece serem as Universidades públicas. Já nem menciono o caso da UERJ, que no caos que se transformou a gestão pública no estado do Rio de Janeiro, está correndo o risco de ser fechada. O que é uma tragédia, porque a UERJ é uma das boas Universidades brasileiras.

Depois disso nós temos visto ataques aleatórios, em Ouro Preto, no Paraná, no Rio Grande do Sul. A tragédia que aconteceu em Santa Catarina onde um homem inocente foi arrastado no meio de uma trapalhada, uma trapalhada iniciada, inclusive, por um corregedor que, aparentemente, estava em busca de uma vendeta pessoal e que contou com o aparato da Justiça Federal e da Polícia para humilhar um homem decente, que não tendo coisa mais importante na vida do que sua reputação decidiu restaurá-la suicidando-se. Isso é uma tragédia.

E hoje, pela manhã, nós fomos assaltados pela notícia de que o reitor, a vice-reitora da UFMG, reitora que é também a reitora eleita num processo recente ela obteve 65% dos votos da comunidade universitária, dois ex-reitores, um dos quais ex-ministros da Ciência e Tecnologia, grandes nomes da Academia brasileira, como é o caso da professora Heloisa Starling, o próprio professor Clélio Campolina, todos esses, quer dizer que a vice-reitora eleita reitora é uma pesquisadora 1A do CNPQ, está portanto no céu da Academia brasileira, pois essas pessoas, de uma forma desrespeitosa, afrontosa, foram levadas para a Polícia Federal para prestar informação sobre assuntos banais.

 

Leia também: Delegada da operação que levou reitor da UFSC ao suicídio é promovida pela PF

 

Há duas banalizações aí muito graves. Primeiro que se trate como assunto de grande envergadura a verificação de realização de despesas em projetos das Universidades. Vamos lá, TCU, vamos CGU, vamos ser mais precisos e mais cuidados para não semear o terror onde isso é desnecessário.

De outro lado, nós também temos a banalização do instituto da condução coercitiva, que segundo nos dizem muitos juristas é um instituto inconstitucional. Depois que ele foi usado, sem nenhum fundamento, para conduzir o presidente Lula, para prestar informações que ele prestaria sem nenhum tipo de forçação de barra. Isso agora, se tornou uma espécie de carnaval.

Então, essas pessoas, pesquisadores respeitados, com domicílio estabelecido, profissionais que são encontráveis em seu local de trabalho, foram arrancadas de casa por um capricho. Eu li agora a determinação da juíza substituta da Vara Federal, uma peça lamentável.

E eu quero dizer mais, além de violar a UFMG, que é uma das principais Universidades das Américas, em termos da sua capacidade científica, em termos de seu prestígio acadêmico, essa violência é cometida vinculada a um projeto do Memorial da Anistia. Uma obrigação que esse país deve a si mesmo, que é o de desenterrar esqueletos na sua memória recente.

É fato que na ditadura a Universidade também foi violada, pessoas foram presas, torturadas e algumas até morreram. Não se pode repetir o passado. Nós não admitiremos isso. A Universidade é, no mundo inteiro, um espaço de liberdade e de construção da democracia. No Brasil esse é um espaço inestimável. Eu acho que essa violência cometida contra as Universidades hoje, quando se agrediu desse modo a UFMG, é uma agressão que não ficará impune. Porque não se agride impunemente a UFMG. Não se afronta Minas Gerais. Não se macula dessa forma a Universidade brasileira.

 

Veja mais: Reitor é solto sob aplausos de professores e estudantes

 

Em nota à imprensa, a presidenta eleita Dilma Rousseff lamenta a a espalhafatosa ação da PF na UFMG. “É uma bofetada nos anistiados, um desrespeito à memória dos torturados e que tombaram na luta contra a ditadura”. Confira a nota na íntegra:

 

“A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira, 6, mais uma operação espalhafatosa, dessa vez para apurar suspeitas sobre o Memorial da Anistia, obra da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) feita com recursos do governo federal.

Batizada perversamente de “Esperança equilibrista” – uma referência traiçoeira à imortal obra de Aldir Blanc e João Bosco que é simboliza o Hino da Anistia – a operação da PF é uma bofetada nos anistiados e um desrespeito à memória dos torturados e dos que tombaram na luta contra a ditadura.

Isso ocorre meses depois da infundada operação desencadeada na Universidade Federal de Santa Catarina que provocou o suicídio do reitor Luiz Carlos Cancellier.

Novamente, de maneira injustificada, extrapola-se o limite do bom-senso e monta-se uma operação policial que joga para a plateia, ao envolver mais de 80 policiais para fazer conduções coercitivas.

É lamentável que a sombra do Estado de Exceção continue a se projetar sobre as instituições brasileiras”.

Dilma Rousseff

Presidenta Eleita do Brasil

 

O ex-ministro da Defesa, Celso Amorim também manifestou apoio ao reitor e demais dirigentes e professores da UFMG. Confira:

Caro amigo Clelio Campolina,
Receba minha total solidariedade em relação à ação truculenta desencadeada hoje contra você e outros dirigentes e professores da UFMG. Como Ministro da Defesa, encarregado da segurança por ocasião da Copa das Confederações, em 2013, pude apreciar a firmeza de sua atitude democrática, que contribuiu decisivamente para o desfecho positivo e pacífico de uma situação complexa, que poderia ter caminhado para um perigoso e desnecessário confronto. Mais tarde, testemunhei a maneira sensata e equilibrada como você, já ministro da ciência e tecnologia, conduziu assuntos delicados como o acordo espacial com a Ucrânia. Intelectualmente, muito ganhei com nosso convívio e foi com alegria que recentemente compartilhei com você uma mesa de debate sobre o futuro do Brasil na grande instituição que você tão bem dirigiu. Por tudo isso e pelo alto conceito dos seus colegas igualmente atingidos por essa ação intempestiva, fiquei muito chocado ao tomar conhecimento da condução coercitiva a que foram submetidos, totalmente injusta e descabida.
Abraço amigo,
Celso


6 Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Felipe José Lindoso

07/12/2017 - 21h19

O comentário da deputada foi ótimo. Entretanto, tomada pela mineiridade, a Deputada Margarida Salomão cometeu uma leviandade, ao dizer que “já nem vou falar da UERJ”.
Precisamos falar da UERJ sim, Deputada. SEMPRE;
O que acontece com a UERJ não é simplesmente o fruto do desastroso governo do Rio de janeiro. O que acontece com a UERJ faz parte do plano geral de liquidar com as universidades públicas brasileiras. E mais, a exemplar atitude dos professores e funcionários da universidade estadual mostra caminhos da resistência.
Parabéns à Deputada Margarida Solomão, sim.
MAS PRECISAMOS TAMBÉM FALAR SEMPRE DA UERJ, deputada.

Responder

Vera Lúcia Villas Boas

07/12/2017 - 02h52

Que absurdo! No que transformaram o Brasil? Não é possível que ações dessa natureza continuem se repetindo sob os nossos narizes e continuemos pasmados. É triste, é humilhante, mas ao mesmo tempo desafiador, quando lembramos que vamos votar no próximo ano e está nas nossas mãos resolver a maioria dos problemas brasileiros com o nosso voto. Que venha 2018.

Responder

Rogério

07/12/2017 - 00h09

Pago imposto para a polícia prender ladrão mesmo !

Responder

Mauricio Firmino da Silva

06/12/2017 - 22h52

É com imenso pesar que assisto esses absurdos acontecerem no Brasil de hoje,nós que acreditávamos que estávamos consolidando nossa jovem democracia, vimos ela ser golpeada nos idos de 2016,e perplexos somos coadjuvantes de todos os tipos de abuso fascista.Basta de golpe,viva a democracia!!!

Responder

Lúcia Medeiros

06/12/2017 - 22h50

#SomosUFMG

Responder

Marcos

06/12/2017 - 22h26

Em breve : execuções sumárias e covas clandestinas!
Este é o Brasil que emergiu do Golpe !

Responder

Deixe uma resposta

Recomendadas