Lula: “Não vamos fechar os olhos enquanto a gente não reconquistar o direito à cidadania”

Ex-presidente critica política de austeridade e afirma que a desgraça tomou conta do Brasil: "O metalúrgico não pode fechar os olhos não conquistar outra vez o direito de andar de cabeça erguida".

Ao participar de um evento em São Bernardo do Campo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva condenou o discurso do governo de Michel Temer de que é preciso fazer as reformas trabalhista e previdenciária para tirar o país da crise econômica.

Lula e Wagner Santana na posse da presidência do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (Foto: Filipe Araújo/Instituto Lula)

“Eles querem jogar a culpa da desgraça do país em cima dos trabalhadores com a reforma trabalhista e em cima dos aposentados. E nós trabalhadores precisamos dizer para eles: se quiserem resolver o problema da aposentadoria, da Previdência, não tem que tirar o direito dos aposentados”, afirmou Lula.

“O metalúrgico não pode fechar os olhos não conquistar outra vez o direito de andar de cabeça erguida. Não fechar os olhos enquanto a gente não reconquistar o direito à cidadania que nós já tivemos”, disse.

Leia mais:
Depois de ser chamado de ‘chefe de quadrilha’, Temer ameaça processar Joesley

O evento em que Lula participou, no domingo (18/6), foi a posse de Wagner Santana na presidência do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Participou também a presidente do PT e senadora, Gleisi Hoffmann (PT-PR).

Ao discursar, Lula criticou o golpe para derrubar o governo da presidente eleita Dilma Rousseff e quem coloca no PT a culpa de todos os problemas do Brasil: “Vamos demonizar a Dilma, vamos tirar a Dilma que vai melhorar. Tirar a Dilma e colocar o Temer. E a desgraça tomou conta deste país”.

Crítico a cortes em programas sociais e a reformas que já estão em andamento – o Senado pretende votar, no Plenário, a reforma trabalhista no dia 28 de junho – Lula afirma que a solução para sair da crise econômica é a geração de empregos, aumento de salário e, consequentemente, do poder de consumo. “É fazer a economia crescer (…) que a gente consegue fazer a previdência a dar conta do recado.”

Leia também:
O cerco de Moro contra a defesa de Lula, segundo os advogados

O ex-presidente brincou que outros sindicatos ficam enciumados quando ele se refere aos metalúrgicos como uma dos mais decisivos para política nacional e disse que sua categoria é responsável pela elevação do nível de consciência da classe trabalhadora brasileira.

“Desde os tempos em que a gente conquistou a democracia neste país, desde o tempo da campanha das Diretas, nada aconteceu neste país que não tivesse passado por duas categorias importantes – a dos metalúrgicos do ABC e a dos bancários de São Paulo. Nada.”

2 Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

José Eduardo Garcia de Souza

19/06/2017 - 10h44

Lula deveria estar mais preocupado com a sua defesa nos cinco processos de que é alvo do que ficar dizendo sandices em palanques – onde até o seu partido perdeu nas eleições municipais de 2016 -, como e nada tivesse a ver com a presente crise econômica.

Responder

    Antonio Paulino

    19/06/2017 - 12h57

    Coxinha vê se atualiza não sabe que Lula é o preferido para voltar ao planalto por 50% dos eleitores.O PSDB derreteu com o apoio sistemático ao golpe.O golpista está por um fio.Que caia de podre.

Deixe uma resposta

Recomendadas