Justiça proíbe propaganda do PT que mostra relação de ACM Neto com Geddel Vieira Lima

Em 2014, o prefeito de Salvador apoiou o nome do ex-ministro para o Senado

O prefeito de Salvador, ACM Neto (Dem-BA), conseguiu uma liminar proibindo o PT de veicular propaganda política que vincula o nome do político ao de Geddel Vieira Lima. O prefeito deve concorrer ao governo da Bahia em 2018. O juiz corregedor do Tribunal Regional Eleitoral, Fábio Alexsandro Costa Bastos, foi quem desferiu o despacho.

Em 2014, ACM Neto apoiou o nome de Geddel para o Senado. O ex-ministro de Michel Temer e ex-presidente do PMDB da Bahia foi preso em setembro, após a Polícia Federal apreender R$ 51 milhões em um apartamento em Salvador.

Em entrevista ao Brasil 247, o deputado federal Jorge Solla (PT-BA) disse que a tentativa de esconder Geddel é “confissão de culpa”: “Seu advogado teve a desfaçatez de chamar de ‘fatos mentirosos’ uma aliança que é pública e sobre a qual há fartos vídeos, fotos e declarações públicas de lealdade e afeto.O prefeito poderia ter feito uma autocrítica e rompido com Geddel, não teria esse constrangimento de ter que censurar a oposição. Mas inexplicavelmente não o fez até hoje, mantém na prefeitura os seus indicados. Terá o prefeito medo do que Geddel pode vir a dizer sobre ele?”.

Veja abaixo propaganda da campanha de Geddel para o Senado, com apoio de ACM Neto:

2 Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

James Gressler

06/12/2017 - 22h51

Sempre que um sujeito que tiver cruzado por LULA numa esquina em qualquer tempo é pego por qualquer delito vem logo, da mídia e dos inimigos, a pecha:AMIGO DO LULA.

Responder

Rogério Otto

22/11/2017 - 14h21

Temos que parar de chamar o judiciário de justiça. São coisas bem diferentes.

Responder

Deixe uma resposta

Recomendadas