Denúncia contra Temer chega à Câmara e vai tramitar na próxima semana

Amigo pessoal de Temer, o advogado Antônio Claudio Mariz de Oliveira anunciou que está deixando o caso; ele foi a responsável pela defesa do presidente na tramitação da denúncia por corrupção passiva.

A denúncia contra presidente Michel Temer pelos de crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça foi entregue na noite de quinta-feira (21) na Câmara e deverá começar a tramitar na próxima semana.

A primeira ação após o recebimento da peça é a leitura em plenário, o que só pode ocorrer em sessão com quórum de, no mínimo, 51 deputados. Após essa etapa, caberá ao primeiro secretário da Câmara, deputado Giacobo (PR-PR) comunicar ao presidente sobre o recebimento da denúncia. Paralelamente, a peça segue para análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Leia mais:
Jovens presos antes de ato anti-Temer são julgados nesta sexta

A denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal foi encaminhada à Câmara pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O documento foi entregue ao secretário-geral da Mesa da Câmara, Wagner Padilha, às 20h31 pelo diretor-geral do STF, Eduardo Toledo. Com a entrega, começa o rito de tramitação, que seguirá os mesmos trâmites da primeira denúncia oferecida contra o presidente, que foi arquivada pela Casa.

Troca na defesa de Temer

Advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira durante sessão da CCJ para discutir a primeira denúncia contra Temer (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Quando a denúncia foi enviada aos deputados, o advogado Antônio Mariz de Oliveira informou que deixará a defesa do presidente. Ele alegou questões éticas, porque já atuou na defesa do doleiro Lúcio Funaro, que firmou um acordo de delação premiada e deu informações que serviram para embasar a segunda denúncia.

Funaro disse em delação ter certeza de que Michel Temer recebia parte da propina em um esquema na Caixa Econômica Federal que envolvia políticos do PMDB.

 

Temer está em viagem oficial aos Estados Unidos e não se manifestou sobre o assunto.

O Supremo Tribunal Federal só poderá analisar a acusação se a Câmara autorizar.

A votação pode acontecer em outubro, segundo estimou o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

A intenção dos aliados do governo é agilizar a tramitação da peça para que a Câmara possa prosseguir na apreciação de temas considerados importantes, como as reformas, dentre elas a previdenciária e a tributária. O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, disse que o plano é decidir sobre a denúncia “o mais rápido possível, mas respeitado o regimento”.

O presidente Michel Temer tem até dez sessões para apresentar a defesa na CCJ. Enquanto apresenta a defesa, o presidente da CCJ, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), deverá definir o relator da proposição. Após apresentação da defesa, a CCJ tem até cinco sessões para elaborar e votar o parecer, que poderá ser pela aceitação ou arquivamento da denúncia. De toda forma, a decisão final sobre a abertura ou não de investigação contra o presidente da República cabe ao plenário da Câmara.

Para que seja autorizada a abertura da investigação são necessários os votos favoráveis de, pelo menos, 342 deputados. Se esse placar não for atingido, a denúncia será arquivada até o final do mandato do presidente Temer.

A autorização prévia para processar o presidente da República está prevista na Constituição. O Artigo 86 diz que “admitida a acusação contra o presidente da República, por dois terços da Câmara dos Deputados, será ele submetido a julgamento perante o Supremo Tribunal Federal, nas infrações penais comuns, ou perante o Senado Federal, nos crimes de responsabilidade.”

*Com informações da Agência Brasil.

Nenhum Comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Deixe uma resposta

Recomendadas