UFMG: Reitor é solto sob aplausos de professores e estudantes

Operação da PF investiga desvio de recursos em construção de Memorial da Anistia. O reitor, Jaime Arturo Ramírez, a vice-reitora, Sandra Goulart Almeida, e a ex-vice-reitora e historiadora Heloisa Starling foram alguns dos conduzidos coercitivamente

*Imagens: Pedro Martins

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quarta-feira (6) a Operação Esperança Equilibrista, com o objetivo de apurar a não execução e o desvio de recursos públicos para a construção e implantação do Memorial da Anistia Política do Brasil. Idealizada em 2008, a fim de preservar e difundir a memória política dos períodos de repressão, a obra foi financiada pelo Ministério da Justiça e executada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Em nota, a PF informou que 84 policiais, 15 auditores da Controladoria-Geral da União e dois do Tribunal de Contas da União estão cumprindo oito mandados judiciais de condução coercitiva e 11 mandados de busca e apreensão. Entre os conduzidos, segundo informações do jornal O Tempo, estavam o reitor, Jaime Arturo Ramírez, e a vice-reitora, Sandra Goulart Almeida. Professores e estudantes foram à sede da PF para pedir a libertação dos detidos. O reitor foi solto por volta do meio-dia, sob aplausos.

Em coletiva de imprensa, o delegado Leopoldo Lacerda não citou o nome dos presos: “Os investigados são coordenadores do projeto da cúpula da universidade”, afirmou. Eles podem responder por peculato desvio e formação de quadrilha.

Assista abaixo:

 

Diante da condução coercitiva dos reitores e professores da UFMG nesta manhã, a Frente Nacional Contra a Censura convocou uma reunião às 19h no Sindicato dos Jornalistas, na região central de Belo Horizonte.

Veja também:

 Delegada da operação que levou reitor da UFSC ao suicídio é promovida pela PF

A obra do Memorial seria feita a partir da reforma do Coleginho, localizado no bairro de Santo Antônio, em Belo Horizonte. Nele seria instalada uma exposição de longa duração, com obras e materiais históricos. Estava prevista também a contrução de dois prédios anexos e uma praça de convivência.

De acordo com a PF, mais de R$ 19 milhões já teriam sido gastos na construção e em pesquisas de conteúdo para a exposição. No entanto, acrescenta a PF, até o momento apenas a obra referente a um dos prédios estaria sendo feita e, mesmo assim, estaria inacabada. Ainda segundo os investigadores, quase R$ 4 milhões teriam sido desviados por meio de fraudes em pagamentos feitos pela Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep), que foi contratada para fazer os estudos de conteúdo e a produção de material para a exposição.

O nome da operação foi inspirado no trecho da música “O Bêbado e o Equilibrista”, de João Bosco e Aldir Blanc, que é considerada o hino dos anistiados.

A UFMG é a segunda universidade a virar alvo de operações da PF neste ano. Em setembro, o reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, Luiz Carlos Cancellier de Olivo, foi preso na chamada Operação Ouvidos Moucos, que investigava desvio de recursos no programa de educação a distância.

A ação foi chefiada pela delegada Érika Mialik Marena, ex-coordenadora da Lava Jato, em Curitiba, e recentemente promovida a superintendente da PF em Sergipe. Marena é alvo de um pedido de investigação por abuso de autoridade por sua atuação na UFSC.

A suspeita sobre o reitor era a suposta tentativa de obstruir a investigação. A ação mobilizou 115 policiais para prender Cancellier e outros seis professores da UFSC.

O reitor, conhecido como Cau, foi afastado do cargo e banido da universidade que frequentava há 40 anos, localizada em frente ao apartamento onde morava.

Dezoito dias depois, o reitor se atirou do sétimo andar de um shopping de Florianópolis e deixou uma carta dizendo que foi submetido a abusos de autoridade em meio à operação.

De acordo com a decisão judicial ao qual o site de notícias da Globo G1 teve acesso, além dos atuais reitor e vice-reitora, também foram conduzidos coercitivamente as ex-vice-reitoras Rocksane de Carvalho Norton e Heloisa Gurgel Starling. Outras duas mulheres contratadas pela Fundep, Silvana Coser e Sandra Regina de Lima, também foram levadas para a Superintendência da Polícia Federal na capital mineira.

Veja também, entrevista de Acioli Cancellier de Olivo ao Nocaute

Parlamentares do PT emitiram nota pública em repúdio à operação da PF na UFMG. Leia o texto na íntegra:

A operação da Polícia Federal que na manhã desta quarta (06) conduziu coercitivamente os atuais reitores e os ex-reitores da UFMG é uma prova de que a onda de arbitrariedade e exibicionismo no país está longe de acabar. Demonstra-se que o martírio do ex-reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier, não foi o suficiente para constranger aqueles e aquelas que hoje entendem ter o direito de utilizar prerrogativas legais para produzir perseguições de cunho político e pessoal.

Não há qualquer justificativa para a forma como a operação se deu. Não há qualquer justificativa para conduzir coercitivamente dirigentes universitários, cidadãos e cidadãs conhecidas publicamente, com endereço estabelecido, cumprindo suas funções e que, a qualquer momento, estariam à disposição da Polícia Federal para prestar as explicações que fossem necessárias. A banalização das conduções coercitivas visa apenas o espetáculo, a autopromoção de agentes públicos mais acostumados aos holofotes do que à prática de suas funções.

Temos explícito mais um episódio de uma ofensiva contra as conquistas progressistas dos últimos anos, desta vez dirigida contra a Educação brasileira e seu propósito de democratizar e libertar. Não por coincidência, o gesto de violência da Polícia Federal voltou-se contra o Memorial da Anistia, ação da UFMG que busca promover o resgate da verdade reprimida pela Ditadura Militar brasileira, contribuindo para restabelecer no Brasil o tão elementar direito à memória.

Somamo-nos à indignação já manifestada pela direção da UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais, conclamando a sociedade para defender a instituição dessa caçada brutal, sustar a operação e punir disciplinarmente os responsáveis, em particular aqueles que autorizaram tamanha arbitrariedade.

Dep. Margarida Salomão (PT-MG) – Presidenta da Frente Parlamentar em Defesa das Universidades Federais

Dep. Raimundo Angelim (PT-AC) – coordenador do núcleo de educação do PT na Câmara

Senador Lindbergh Farias (PT-RJ) – Líder do PT no Senado

Senadora Fátima Bezerra (PT-RN) – coordenadora do núcleo de educação do Senado Federal

Dep. Carlos Zaratini (PT-SP) – Lider do PT na Câmara

 

*Com informações da Agência Brasil

 

4 Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Ana Celia Gomes Pedroso

07/12/2017 - 22h54

A ufmg a muito deixou de ser a UFMG. Incrível como o pt sucateou as universidades federais desse país. Não vou generalizar, mas há professores, principalmente os da área da educação, que são um caos, uma lastima. Possuem um discurso enviesado no fascismo, comunismo e pregam condutas nada consistentes.

Responder

Luiz Carlos BRUSCHI

06/12/2017 - 19h42

Proponho o fim da PF. Não serve prá nada.

Responder

Regina Maria de Souza

06/12/2017 - 14h28

Não respeitam sequer os hinos a quem doou vida, sofrimento e até morte à democracia e à igualdade entre os brasileiros. Fascistas!

Responder

Fernando

06/12/2017 - 13h39

No Pará, o que todos esperam é esse tipo de providências do MP e PF contra o prefeito, alguns vereadores do município de Sen. José Porfírio, um deputado estadual e uns 40 capangas que invadiram e inviabilizaram um seminário no interior da UFPA, em Belém, mantiveram professores e todos os demais participantes do evento em cárcere privado durante 40 longos e aterrorizantes minutos, por achar que o evento seria um atentado a seus interesses escusos.

Responder

Deixe uma resposta

Recomendadas