Casa de Mariana: o trem começou a andar.

Depois de meses e meses de esforço, finalmente começa a andar o projeto da Casa de Mariana, para o qual doarei toda minha biblioteca e os arquivos que acumulei em meio século de trabalho como repórter, deputado, escritor e ativista político. Lá funcionará também um centro de debates, minicursos e seminários sobre Jornalismo, História, Política, Cinema, Teatro e Literatura.

16931112_1577967625553835_2016735569_o

 

Durante algum tempo tentei conseguir alguma instituição que se dispusesse a comprar a modesta casa em que nasci, na cidade mineira de Mariana – que continua exatamente igual ao que era setenta anos atrás. O plano, como anunciei aqui na Internet, é doar para a cidade minha biblioteca de cerca de quatro mil volumes, comprados um por um, ao longo das últimas décadas. Além dos livros, pretendo dar o mesmo destino a todo o acervo de documentos, cartas e entrevistas que acumulei em cinquenta anos de trabalho como jornalista, deputado, escritor e ativista político. As gravações de entrevistas que realizei para todos os meus livros (e dezenas de reportagens) estão lá. Há coisas interessantes, que vão desde os áudios de entrevistas com personalidades – entre outros, Luís Carlos Prestes, Fernando Collor, Fidel Castro, Yasser Arafat, Eric Hobsbawn, Ulysses Guimarães, Alfredo Stroessner, Daniel Ortega, Anastácio Somoza, Mário Firmenich, Dilma, Lula, Comandante Timochenko, Julian Assange… – até acervos históricos, como, por exemplo, três décadas de correspondência trocada entre Carlos Lacerda e seu advogado Fernando Veloso (doador do material). Há também uma coleção de algumas centenas de fotos jornalísticas.

 

E tem, claro, muita coisa curiosa e sem valor, que eu chamo de “fetiches políticos” – como a placa original do carro dos pistoleiros da rua Toneleros, o relógio de ouro que Muamar Kadafi me deu (com o rosto dele estampado no mostrador), uma caixa de charutos de prata portuguesa com uma dedicatória a mim, do Comandante Fidel Castro, gravada na tampa, um taco de beisebol com um bilhete escrito nele pelo presidente Hugo Chávez…

 

Essa montanha de livros, documentos, fotos, fitas, cds, dvds e cacarecos, ainda sem catalogação, está guardada num depósito aqui em São Paulo – cuidado que me custa um razoável dinheirinho mensal.

 

Como eu havia dito aqui, se algum dia eu vier a faltar, como dizia o Roberto Marinho, não sei que destino dariam a esse material. Eu gostaria que pudesse ficar tudo em Mariana, na casa em que nasci, para ser digitalizado e disponibilizado num site para quem se interessar.

 

Quanto custaria comprar a casa, adaptá-la e digitalizar o material? Eu não sabia, mas não era difícil calcular. Na época, perguntei aqui: alguém tem alguma ideia de como levantar essa grana? Alguém ganhou a mega-sena acumulada e está precisando comprar indulgências que lhes abram as portas do céu? Eu dizia mais: por último, mas não menos importante: não estou pedindo nada, nem um tostão, por esse acervo. Estou doando.

 

Bem, aí apareceu o Ótimo Samaritano. Uma pessoa com quem não tinha qualquer relação mais próxima, me mandou um e-mail: “Manda bala, eu compro a casa para você”. A única exigência dele foi o anonimato – como costumam fazer as pessoas verdadeiramente generosas.

 

A Casa de Mariana – vai se chamar assim – não será apenas o destino do acervo. Decidimos transformá-la num centro de debates, minicursos e seminários sobre Jornalismo, História, Política, Cinema, Teatro e Literatura.

 

Entre outros, muitos outros, já se ofereceram para ministrar workshops e cursos na Casa de Mariana os seguintes profissionais:

 

  • Afonso Borges, jornalista e produtor cultural: duas vezes por ano seu projeto intitulado “Sempre um Papo” será realizado na casa de mariana.
  • Alberto Villas, jornalista e escritor: oficinas sobre o tema “imprensa alternativa no brasil durante a ditadura militar”.
  • Américo Vermelho, fotógrafo.
  • Anthero Meirelles, ex-jornalista, economista e diretor do Banco Central: oficinas de trabalho para jornalistas especializados em Economia.
  • Daniele Ottobre, cineasta italiano especializado na temática social e ambiental: oficinas de trabalho sobre o tema “cinema documental e ambientalismo”.
  • Deonísio da Silva, filólogo e escritor. Vai ministrar oficinas sobre dois temas: uma sobre a origem de palavras e expressões e outra, intitulada “narrativas curtas”, para ensinar estudantes de jornalismo e de letras a contar uma boa história.
  • Eric Nepomuceno, jornalista, escritor e tradutor: oficinas sobre jornalismo e literatura.
  • Fernando Morais: oficinas sobre reportagem, jornalismo investigativo e jornalismo literário.
  • João Batista da Costa aguiar, artista gráfico: oficinas sobre “A feitura de um livro, da capa ao miolo”.
  • Luciana Franzolin (da London School of Photography) e Alex Mita, foóografo da agencia France Presse: workshops de fotografia e fotojornalismo.
  • Polé Láfer de Jesus: oficinas sobre ilustração jornalística.
  • Tatiana Quintella, documentarista, produtora e dona da Popcom Filmes: workshops de produção cinematográfica.

 

A negociação com o proprietário da casa ficou muito difícil, porque o preço pedido está acima do mercado imobiliário da cidade. Para não perder tempo, decidimos iniciar o trabalho de organização, seleção, catalogação e digitalização de todo o material (biblioteca + acervo). Para isso acabamos de alugar essa simpática casinha que aparece à direita, na foto, ao pé da Igreja de São Pedro. Em mais alguns dias um caminhão transportará tudo para lá.

 

Como diz o Gilberto Gil, com fé não costuma falhar.

Vamos lá. Viva a Casa de Mariana.

 

19 Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Rina de Alencar Laboissiere

30/12/2017 - 00h35

Estou encantada com tudo isto! Rapido vamos começar.Tenho 84 anos e seria um sonho, entrar nesta casa da infancia de amigas.Agora Relicario onde ainda quero aprender. Quem sabe contaria historias que Fernando escutou? Quem sabe adaptariamos para crianças, aquelas que escreveu? Estaria sonhando?

Responder

Francisca Dutra

27/11/2017 - 16h17

Ainda bem que existem pessoas como vc, Fernando.
Fiquei preocupada com a “simpática casinha” que alugaram para levar todo o acervo. A casa é segura para guardar tantos objetos de valor? Espero que essa minha desconfiança seja só uma coisa de mineira que sou.

Responder

Glícia de Alvarenga Assis

27/11/2017 - 14h56

Olá! Apresento-me como voluntária para o posto de “tia do café” (ou algo tipo pau-pra-quase-toda-obra), se ainda houver vaga.

Responder

Ennio Rodrigues

20/08/2017 - 18h57

Ola, Fernando. Quero contribuir de alguma forma para o projeto. Sou mestrando em Comunicação do PPGOM UFOP, que fica aqui em Mariana. Como está o projeto no momento? Alguma forma de eu me envolver? Abraço!

Responder

CARLOS ANTONIO DA SILVA

02/03/2017 - 14h10

Parabéns Fernando Morais pela iniciativa. Estou à disposição para dar uma força. Sou Jornalista mas, trabalho com TI, precisando de alguma coisa… sempre as ordens!!

Responder

Rose Lima

01/03/2017 - 09h03

Tanto a sua quanto a do “anonimo generoso e de coração grandioso”, são iniciativas belas e encantadoras. Com essa iniciativa o coração da “Bela Princesa” transborda de alegria.
Quem sabe com mais este ponto turístico Mariana comece a pensar em outras maneiras de sobreviver que não seja somente a mineração.

Responder

Marcos

28/02/2017 - 13h10

Fernando Morais, sou apreciador de longa data dos teus escritos . Colaborei para que este blog se tornasse realidade e espero mais notícias sobre o andamento deste novo projeto. Certamente visitarei Mariana para também conhecer teu acervo!
Grande abraço

Responder

José Claudio dos Santos

26/02/2017 - 21h58

Parabéns Fernando. Belíssima notícia nestes tempos “temerosos” que estamos vivendo.

Responder

Silvia Hernandes

26/02/2017 - 08h47

Pena q está tão longe de São Paulo. Eu daria algumas horas por semana p organizar esse material. Sou historiadora com especialização e muita experiência em Arquivologia.

Responder

Aparecida Petrillo

25/02/2017 - 18h33

Parabéns Fernando. Junto com o Professor Roque, acompanhei a sua vontade de comprar a casa onde nasceu. Se precisar conte comigo. A Casa de Mariana já é um sucesso! Abraços

Responder

Leandro Oliveira

25/02/2017 - 17h54

Sou professor de história e filosofia.
Em dias de péssimas notícias surge uma ponta de esperança em Mariana.

Responder

Tânia Gerbi Veiga

25/02/2017 - 09h54

Se precisar de alguém que ajude a organizar o material, estou às ordens. Sou historiadora pela PUC-SP.

Responder

Pedro André

25/02/2017 - 08h25

Boa notícia. Excelente programação. SÓ espero que essa “casa” não ignore a literatura produzida em Mariana!

Responder

Gustavo Nolasco

24/02/2017 - 23h10

Opa! Que surpresa boa!!!! Avante

Responder

Eliane Sampaio

24/02/2017 - 22h32

Que contentamento saber deste projeto, no meio de tantas notícias tenebrosas, escabrosas, Temerosas…A alma agradece.

Responder

Gabriel Arcanjo Nogueira

24/02/2017 - 20h26

Preclaro Fernando: tenho, encadernados, os 2 únicos exemplares de “Repórter Três” que circularam, bem como a capa que sairia e foi censurada. Juntei tb recorte de jornal e cópia da nota do SJPESP sobre o infausto. Caso queira incorporar o volume à sua vasta biblioteca, à vontade.

Responder

    Nocaute

    25/02/2017 - 09h37

    tá incorporado! muito obrigado. como fazemos?

Maria da Gloria Celestino

24/02/2017 - 19h56

Parabéns Fernando Morais, Mariana finalmente lembrada por você ilustre filho!!!

Responder

Amália Ponce

24/02/2017 - 18h41

Sou jornalista aposentada. Estou à disposição para dar uma força em trabalhos que possam ser realizados pela internet.

Boa sorte para todos e parabéns pela iniciativa.

Amália Ponce

Responder

Deixe uma resposta

Recomendadas