Assédio é sobre poder, não é sobre sexo

Tem gente da esquerda que prefere alinhar o discurso à direita mais tacanha a dar a mão para a companheira feminista

A gente fala tanto em união das esquerdas, prega tanto que a esquerda tem que se repensar, se juntar, nas esferas partidárias e institucionais, e a gente esquece que nem nas micro políticas do cotidiano a gente têm conseguido construir consenso. Nesse momento, por exemplo, tem muito coleguinha de esquerda preferindo alinhar o seu discurso ao da direita mais tacanha a dar a mão para a companheira feminista.

Não que o feminismo não possa ser questionado, repensado e não seja um pensamento plural – que o pensamento único a gente deixa para a direita fascista que sempre viveu disso. Só que o debate tem que ser feito de forma honesta e sem partir de premissas falsas que só querem deslegitimar um movimento que é essencial para quem se posiciona na vida contra a opressão, venha ela de onde vier.

E é uma premissa falsa dizer que o feminismo quer impor uma moral sexual repressora, reprimida – ao contrário: quando se briga pelo direito de dizer “não”, se fortalece o direito de dizer “sim”. Assédio é sobre poder, não é sobre sexo. É sobre o Estado e o patriarcado acharem que podem legislar sobre o corpo feminino. E é na cultura que esse estado de coisas se consolida.

Então se a gente não admite mais a sua piadinha machista ou o seu assédio, não é porque a gente é moralista e nem porque a gente não saiba se defender e seja vitimista. É porque a única forma de quebrar as estruturas de uma cultura que subalterniza o corpo da mulher é por dentro dessa cultura.

E as palavras importam muito nesse processo. A linguagem é uma ferramenta essencial para isso. Ou você acha que dá na mesma chamar uma criança de bandidinho, de menor, ou de criança em conflito com a lei? Achar que essa mudança vai encaretar o mundo ou deixá-lo menos livre sexualmente só vai beneficiar quem sempre mandou no mundo e continua mandando: os bilionários brancos como o Trump, por exemplo.

Mudar é difícil, dá trabalho, dói. Mas eu acredito na capacidade da esquerda, inclusive dos homens, de se preocupar com o outro. De ouvir, se repensar, de entender que não existe pauta identitária em jogo, o que existe é luta contra a opressão. E a luta de classes hoje não é possível de ser pensada se não questionar o patriarcado e o racismo.

As mulheres estão dizendo que está insuportável continuar vivendo assim. E estão incomodando os Trump, Bolsonaro, Alckmin, uns coitadinhos aí, tipo Rodrigo Constantino.

Não é possível que você prefira se aliar a eles por achar que gritar “gostosa” na rua é um ato de liberdade sexual. Agora, se você não consegue se repensar, se está mais a fim de mandar as feministas de volta para a cozinha, pode mandar, meu querido, porque ninguém mais vai te obedecer.

5 Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Leonardo Leão

15/01/2018 - 12h08

Útero

Leonardo Leão

Invenção fêmea,
domínio próprio,
decisão:
nada é meu,
senão dívida.
Ali e dali
fiz-me corpo
e tolice,
habitei-me.
Nelas,
delas,
nasce o sentido:
é nelas.

Recife, 15 de janeiro de 2018

Responder

Teuda Martins

15/01/2018 - 09h53

Camila, a sua análise é realmente muito rasa. Misturou assédio com cozinhar.

A discussão é muito ampla, começaria até por definição de esquerda e direita. Mas nos restrinjamos ao feminismo. O movimento feminista é rachado em diversas faces. E muito rachado. Na cabeça de cada mulher ele é diferente e é entendido por ela da forma que lha convém.

A luta deveria ser primeiramente sobre redução das diferenças e igualdade de oportunidades.
Vou te contar sobre duas “feministas” com quem convivo:
1 – Vai às ruas nos protesto, faz jogral, reclama do patriarcado … Mas não trabalha, apesar de ser qualificada, vive da grana do maridão empresário !!!
2 – Trabalha 10 horas por dia, tem 3 filhos, 3 babás, 1 empregada doméstica. Disse que teve os filhos para se realizar como mulher!!! Diz que trabalha 10h para estabelecer a igualdade de direitos, pois o marida trabalha também 10 horas. Mas não assina carteira das babás e trata a mantém a “doméstica” nas dependências”. Mas é uma militante feminista pela igualdade de direitos!!! As filhas, que ela nem vê direito, andam vestidinhas de “putinhas”, do jeito que vêem na TV. Você acha que elas estão e estarão exercendo o direito ao corpo? kkkkkkk

Essas duas acima são feministas de palco influentes !!

Ora, estamos falando de igualdade de direitos? Quais? No dia em que a “galera de baixo” tiver direito, voltamos a conversar.

a+
Teuda.

Responder

Amanda Machado

12/01/2018 - 18h05

Que maravilha de contribuição para o Nocaute! Camila Kfouri é a centroavante brilhante deste time, cada dia mais sensacional. Parabéns!

Responder

AFONSO H V GUEDES

12/01/2018 - 17h03

Análise muito rasa. Ela fala que a questão é centro de poder. Tudo bem. Existe. Mas não é só isso.
Responda: Na recente guerra do Iraque, apesar da supremacia militar, 3.000 soldados americanos, jovens, voltaram para casa em sacos pretos. Quantos eram mulheres? Agora vamos falar de poder.

Responder

Deixe uma resposta

Recomendadas