Todas as matérias: Marco Aurelio Garcia

Esse governo está plantando uma tragédia nesse país

Se essas reformas, eu chamo muito mais de contrarreformas, passarem, nós vamos ter nos próximos anos uma situação gravíssima. Nós vamos ficar reduzidos a uma republiqueta dessas de pior nível econômico e social.

Trump é capaz de promover a paz entre Israel e Palestina?

Marco Aurélio Garcia analisa 1ª viagem oficial de Trump na presidência e explica que papel os EUA podem exercer para uma paz definitiva entre Israel e Palestina

A Globo pode estar fabricando um novo Collor

Marco Aurélio Garcia relembra uma frase que ouviu de Roberto Marinho, ao explicar por que a Globo apoiou Collor em 1989: “Era filho de um amigo meu, um rapaz de boa aparência, falava línguas. Eu achei que daria um bom presidente.” Garcia adverte: as Organizações Globo podem estar empenhadas em repetir a dose de 1989 e inventar um novo Collor.

As faces do governo atual se definem pelo entreguismo, servilismo e a mesquinharia.

O servilismo daquilo que poderia se chamar política externa brasileira e que de política tem pouco, se expressa todos os dias. E se expressa de forma cômica. Porque nós procuramos defender uma plataforma internacional que o novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recusa.

Em 2018 o México tem um encontro com López Obrador e o Brasil com Lula. Onde começam – e terminam – as semelhanças?

O Brasil do usurpador Temer e o México de Peña Nieto, eleito pelo povo, seguem no mesmo caminho, o da “austeridade” e dos cortes nos projetos sociais. Os mexicanos estão pagando um preço muito custoso e podem servir de exemplo para o que nos espera nos próximos dois anos.

Existe pena de morte no Brasil?

As pessoas vão dizer, não existe, a lei não prevê. Mas eu vou dizer que é falso. Existe. E ela foi aplicada a sessenta prisioneiros no dia 1º. do ano, em Manaus. No domingo 8 de janeiro, mais cinco foram submetidos a essa pena de morte. E ela foi aplicada também a 33 presos em Roraima.

Governo Temer promove um ataque sem precedentes aos direitos dos trabalhadores

A questão que se coloca além do enfrentamento desses ataques aos trabalhadores é a questão dos privilégios. A sociedade brasileira sempre foi uma sociedade de privilégios. E esses privilégios são a expressão particular do problema central do Brasil, que é a desigualdade.

O Brasil tem que dizer não aos tribunais de exceção

A sociedade brasileira tem que se dar conta de que aquilo que se está pretendendo fazer a partir de uma lei que restringe os direitos e as garantias individuais, é uma coisa que pode estar hoje se voltando contra alguns, amanhã pode se voltar contra todos.

Trump vai tirar os EUA do clube neoliberal. E agora, Brasil?

A política externa brasileira não pode ser feita pela ideologia do complexo de vira-lata. Será que nós tínhamos que esperar que o Trump tomasse posições antiglobalização para proteger os empregos que estão desaparecendo lá?