Venezuela: Forças Armadas negam ataque a base militar e reforçam apoio ao governo

Em nota, FANB informou que 'ataque terrorista de tipo paramilitar' foi feito por 'civis usando fardas militares' e um oficial desertor e que segue 'unida monoliticamente' apoiando Nicolás Maduro e a Assembleia Constituinte

A FANB (Força Armada Nacional Bolivariana) informou neste domingo (06/08) que segue “apoiando de maneira incondicional” o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e negou a autoria de um ataque terrorista contra o forte de Paramacay, em Valencia, no estado de Carabobo, que provocou duas mortes nesta madrugada.

“A referida ação foi executada por um grupo de delinquentes civis usando fardas militares e um primeiro-tenente em situação de deserção”, informou a FANB, por meio de comunicado.

Leia mais:
Mercosul suspende novamente a Venezuela para enfraquecer Maduro

De acordo com a FANB, os envolvidos foram “repelidos imediatamente” pelos militares da base e vários deles detidos, incluindo o tenente. No entanto, alguns conseguiram fugir com armas roubadas do Exército e “estão sob intensa busca por parte dos organismos de segurança do Estado”.

Ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López

“Os sujeitos capturados confessaram ter sido contratados nos estados Zulia, Lara e Yaracuy por ativistas da extrema direita venezuelana com ligação com governos estrangeiros”.

O comunicado foi assinada por Vladimir Padrino López, ministro da Defesa da Venezuela e general-chefe da FANB.

A FANB acrescenta que “a operação terrorista incluiu a difusão de um vídeo gravado por um oficial subalterno que há três anos foi expulso da instituição por traição à pátria e rebelião, e que fugiu do país e recebeu asilo em Miami, nos Estados Unidos”. Trata-se de Juan Caguaripano – que supostamente liderou a ação e, no vídeo, se declarou “em rebeldia” contra “a tirania assassina de Nicolás Maduro”.

A corporação qualificou a ação como “um show propagandístico, uma enteléquia, um passo desesperado que faz parte dos planos de desestabilização e conspiração que vem sendo gestados para tentar evitar que se consolide o renascimento da nossa república”, em referência à Assembleia Constituinte venezuelana, instalada na sexta-feira (04/08).

Diante desses acontecimentos, a Promotoria Geral Militar foi notificada para investigar o fato, que “está claramente classificado como crime militar”.

Assista ao vídeo:

No texto, a FANB também destacou que a instituição “permanece incólume, unida monoliticamente, fiel às suas convicções democráticas, com a moral em alta, apoiando de maneira incondicional” Maduro, a Constituinte e a Revolução Bolivariana.

“Ratificamos nosso rechaço a este tipo de atos de barbárie contra o povo e suas instituições. Esta canalhice reforça nossos princípios e valores. Não aceitaremos em nenhuma circunstância que seja violada nossa soberania e menos ainda que se menosprezem as conquistas sociais alcançadas para benefício das grandes maiorias”.

Clique aqui para acessar a íntegra do comunicado.

* Com informações de Opera Mundi.

2 Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

José Eduardo Garcia de Souza

07/08/2017 - 09h09

Quando as Forças Armadas começam a reiterar apoio a um presidente e diminuir a importância de ataques às suas bases feitas por elementos de dentro é porque há cisões nelas e a coisa está feia. E, pelo visto, a coisa está ainda mais feia para Maduro.

Responder

Antonio Rodrigues

07/08/2017 - 09h04

Venezuela resistira aos ataques de USA

Responder

Deixe uma resposta

Recomendadas