Secretário de Estado de Trump sugere golpe militar na Venezuela

CEO da ExxonMobil, a antiga Esso, quarta maior companhia de petróleo do mundo, Rex Tillerson sugeriu que um golpe militar na Venezuela pode ser uma das saídas para o fim do regime de Nicolás Maduro. A Venezuela detém a maior reserva de petróleo do planeta, avaliada pela OPEP em 302 bilhões de barris.


Em evento na Universidade do Texas, o empresário Rex Tillerson, sugeriu que um golpe militar é uma opção para pôr fim ao “regime de Nicolás Maduro”. Momentos antes de partir para sua primeira viagem oficial pela América Latina, o empresário comentou:

“Na história da Venezuela e de outros países da América Latina, com frequência são os militares que lideram isso (mudanças de regime) quando as coisas são tão ruins e a liderança não pode mais servir as pessoas. Se esse será ou não o caso aqui, eu não sei. Nossa posição é de que Maduro tem de voltar à Constituição e segui-la”.

A declaração foi dada em evento na Universidade do Texas em Austin. Tillerson disse que o “mais fácil” seria Maduro decidir sair, ressaltando o “respeito dos EUA” à Constituição e o não reconhecimento da legitimidade da atual Assembleia Constituinte convocada pelo chavismo.

“Se a situação ficar ruim demais, tenho certeza se que ele tem bons amigos em Cuba que podem dar-lhe uma boa fazenda na praia, e ele pode ter uma boa vida lá”.

Para o secretário, “por causa da ditadura, o país passou de um dos mais prósperos da região a um dos mais pobres do mundo”. E disse que chavismo “não representa a vontade dos venezuelanos”.

No ano passado, o presidente Donald Trump chegou a sugerir como opção uma invasão militar na Venezuela, em tom acima do que a diplomacia dos EUA estavam adotando com Caracas. Países de toda a região reagiram contra a proposta. Em seguida, os EUA endureceram sanções contra membros do governo venezuelano, sendo seguidos por União Europeia e Canadá.

O chefe da diplomacia dos EUA passará por México, Argentina, Peru, Colômbia, e Jamaica. O Brasil foi deixado de fora da visita oficial.

6 Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do NOCAUTE. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Andre Mauro

02/02/2018 - 17h59

Longa vida ao Império Yankee “Estados Unidos da América” Deus Salve a América não vejo aqui ninguém criticar a vida social que levam a maioria da população Venezuelana em condiçoes sub-humanas.

Responder

Marcos Neves

02/02/2018 - 13h36

Passar aqui pra que? Já está tudo dominado.

Responder

José Eduardo Garcia de Souza

02/02/2018 - 12h18

Duvido que o que o secretário de estado norte-americano diga venha a ocorrer, e espero que as negociações entre governo e oposição tenham sucesso. O fato básico é que a Venezuela está em petição de miséria por causa de Maduro e seus asseclas.

Responder

    Izaías Almada

    02/02/2018 - 16h01

    Rapaz, em matéria de Venezuela você é um verdadeiro Temer, rsrsrs….

Izaías Almada

02/02/2018 - 11h55

Ao contrário da comentarista Regina, penso que o “idiota” não passa pelo Brasil porque não precisa, já está tudo combinado, tudo sob controle.

Responder

Regina Maria

02/02/2018 - 10h51

Ainda há dúvida sobre a motivação da sucessão de golpes desde abril de 2016? O Brasil ainda não baixou a cabeça, então não merece a “ilustre” visita. Se depender de mim, a cerviz não se inclinará.

Responder

Deixe uma resposta

Recomendadas